A Estrela de Gonçalo Enes, Rosa Lobato de Faria

sem nome

Como havia de seguir a estrela de Sírius até ao mar? Como havia, depois, de registar-se nalguma nau que partisse por essas ondas fora, que nunca vira, mas que lhe dizia o Padre Palma que, passando Além-Tejo ou seguindo a pé para sul, se estendia rumoroso e verde, salgado e tentador e que, dizia o senhor Dom Henrique, levava a outras terras, a outras gentes e a outros mundos.” (p.14)

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s